Tag Archives: gatos

Inovação no design de utensílios para pets

30 jun
modernist cat2

Comedouro duplo da Modernist Cat, disponível em várias cores e também no modelo único e triplo.

E enfim o design chegou de vez ao universo dos pets. Ele veio chegando, devagarinho, meio tímido, lá fora pegou de vez e acho que agora no Brasil a tendência é crescer cada vez mais. O assunto me veio à cabeça agora pouco, quando estava visitando um site chamado Modernist Cat, uma loja online de móveis feitos para os donos e seus pets de Seattle, EUA. Eles são funcionais, bonitos e tem qualidade.

modernist cat1

E quem disse que é só pra gato? Modernist Cat também.

modernist cat

Móvel que também é toquinha. Como felinos amam toquinhas!

Eu me lembro quando comecei a ter gatos e precisei comprar aqueles arranhadores horrorosos e muito mal feitos por um preço absurdo. Ficava indignada, mas comprava, pelo bem e durabilidade do meu sofá, da cama, das almofadas, e por aí vai. Isso há pelo menos oito anos, que é a idade da Filó, minha gatinha mais velha. Ou era isso ou era isso. Faz uns dois anos eu descobri por meio de uma amiga a RonRon, marca nacional que apostou em arranhadores bonitos e de qualidade, respeitando a natureza dos felinos, e agradando em cheio cuidadores insatisfeitos como eu. Claro que virei cliente, comprei um arranhador lá pra casa assim que conheci a loja online. No momento, estou pensando em adquirir o segundo, porque a Filomena praticamente se apossou do primeiro e, por causa disso, o Bento respeita e mal põe o pé lá, hehe.

Arranhador "Rabo Quente", da RonRon

Arranhador “Rabo Quente”, da RonRon

Comedouro em formato de rosto de gato, da RonRon. Acho desnecessária a presença da marca no pratinho, por exemplo.

Comedouro em formato de rosto de gato, da RonRon. Acho desnecessária a presença da marca no pratinho, por exemplo.

Mas atenção empreendedores: eu ainda acho que há um espaço a se conquistar nesse ramo aqui no Brasil. Eu gosto das coisas da RonRon, mas acho que eles ainda pecam em alguns detalhes, como o exagero da exposição da marca nos produtos. E vamos combinar que é um ramo que dá pra usar e abusar da criatividade, de preferência com materiais ecologicamente corretos (feito com madeira certificada ou reaproveitamento de materiais, por exemplo). É  o famoso #ficaadica. Depois não digam que eu não avisei.

Anúncios

Obrigada, 2011.

29 dez

2011 começou ao mesmo tempo ótimo e caótico. Em janeiro estava de férias, viajei por quase um mês, mas voltei pra Brasília desempregada. Ok, eu sabia que estaria desempregada, mas nada como voltar à vida real e se deparar de frente com ela. Mas, poucas semanas depois já estava de volta ao batente e no mesmo ministério, o da Cultura. Só que tudo estava diferente, pois era o começo de uma nova gestão (Dilma) e, para quem não sabe como é trabalhar em governo, quando entra uma turma nova, ainda que do mesmo partido de antes, muita coisa pode mudar. No Ministério da Cultura não foi diferente. E eu, que tinha voltado para o mesmo setor, porém em um cargo diferente, não estava, digamos, me adaptando muito bem ao novo cenário que se desenhava.

Nesse meio tempo, eu casei. Sim, casei, com direito a cerimônia, festão e um detalhe importante: tive que resolver tudo do casamento a distância, porque o evento aconteceu em Pouso Alegre (MG), cidade natal do Lauro, a pelo menos uns 1.000 km de Brasília.

Fotos do casamento coladas na parede de casa. Usei pregadores de roupa que foram fixados com fita adesiva duplaface

Um pouco insatisfeita profissionalmente e envolvida com detalhes da festa, me vi às voltas com um assunto que desde pequena me fascina: decoração. Eu, filha de arquiteta, quando pequena me deliciava com as milhares de revistas que minha mãe tinha sempre em casa. Também adorava dar palpites toda vez que vinha uma reforma nova. O meu quarto, era sempre eu quem decidia tudo, ao contrário do meu irmão, que sempre deixava pra minha mãe resolver as coisas por ele.

E foi em 7 de fevereiro de 2011 que nasceu o Casa de Filó. O nome é uma homenagem à Filomena, ou Filó, minha gatinha. Minha paixão, minha amigona e companheira.

Filomena, a homenageada

Continue lendo